O ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Jorge de Lima (PRB) participou de visita guiada pelo Senai Cimatec, em Salvador, em companhia da deputada federal Tia Eron (PRB), do presidente da Fieb, Ricardo Alban e da vereadora Ireuda Silva (PRB).

Na ocasião, ele conheceu os laboratórios onde estão sendo desenvolvidas as próximas tecnologias nos ramos de têxtil, exploração de petróleo e automotores e ficou encantado com o cenário apresentado.

“Aqui nós temos o que há de mais moderno. Não só no Brasil, como no mundo. Por exemplo; o que se está fazendo em termos de robótica submarina. Estão se fazendo por aqui equipamentos e robôs de altíssimo nível e que não deixam nada a desejar a nível de mundo. Alias, estou retornando agora da 10ª edição da reunião de cúpula dos Brics e o principal tema desse ano foi justamente indústria 4.0 que é um dos focos principais aqui do Senai Cimatec, onde tem sido desenvolvidos vários projetos, atendendo pequenas e grandes empresas. A Bahia tem que se orgulhar da estrutura que está sendo montada aqui no Cimatec”, afirmou.

Tendo Salvador como a única cidade do Nordeste entra as mais inteligentes do mundo, Marcos Jorge citou ainda o “Rota 2030”, programa de fomento ao desenvolvimento da indústria automotiva nacional que chega para dar continuidade ao “Inovar-Auto”, extinto no fim do ano passado.

“A Bahia tem dado sempre grande contribuição para o país, nós acreditamos muito no potencial de desenvolvimento da indústria baiana. Estamos falando de algo que aqui se faz presente tanto no óleo e gás, como também a área têxtil, automotiva que tem uma grande parcela de contribuição no estado e agora está também podendo desenvolver pesquisa através do ROTA 2030, o programa que lançamos pelo governo federal que vai estimular ainda mais parcerias. A Bahia vai continuar dando uma enorme contribuição para o país e que isso seja cada vez mais fortalecido”, concluiu.

Para a deputada federal, Tia Eron (PRB) a vinda do ministro a Bahia diminui a prática do consumismo e reforça a da produção.

“Nós somos um estado que necessita desse aporte vindo do ministério da Industria e do Comércio, nós não temos a cultura aqui de produtividade. Salvador por exemplo é uma cidade de prestação de serviço e quando recebemos uma visita como essa do ministro Marcos Jorge reforçamos a não prática e a cultura do consumismo e sim da produção. O Cimatec é esse eixo maior que mostra as possibilidades diversas de fazer essa produção”, explicou.